A Diferença entre consciência fonológica, consciência fonêmica e fonética – Texto 18

Publicado em: Textos sobre AFI, 23/11/2018 09:54

Quantas vezes você já ouviu professores falando sobre fonética e fonoaudiólogos falando sobre fonemas – e os dois grupos falando sobre consciência fonológica? Isso acontece com tanta frequência que às vezes se confundem no meu cérebro. Aqui estão as definições e diferenças entre os termos:

  1. A consciência fonológica refere-se ao desenvolvimento de diferentes componentes fonológicos da linguagem falada (Lane & Pullen, 2004, p.6). Estudantes que têm forte consciência fonológica reconhecem quando as palavras rimam. Eles observam sílabas e padrões de palavras. Ter habilidades de conscientização fonológica está diretamente relacionada à capacidade de leitura. O fato de leitores ruins terem fraca capacidade de conscientização fonológica não me surpreende.

As habilidades de conscientização fonológica incluem:

  • Rima (finais de palavras semelhantes);
  • Aliteração (começos de palavras semelhantes);
  • Segmentação de sílaba, palavra e sentença (separando um do outro);
  • Partidas (início) e Ritmo (começo e término de palavras);
  • Fonemas (sons individuais).

 

  1. A consciência fonêmica refere-se ao conhecimento sobre um fonema e a capacidade de um indivíduo detectar, misturar, segmentar e manipular sons isolados em palavras. Como fonoaudiólogos, sabemos que um fonema é apenas um som. Existem 41 fonemas em inglês que usamos para combinar em sílabas e palavras quando falamos. Enquanto um fonema é apenas um som e é o menor nível de produção de fala, de acordo com especialistas em leitura, é o mais alto nível de habilidades fonológicas. Eles dizem que ele se desenvolve depois que as crianças aprendem a manipular palavras e sílabas. As crianças que não têm consciência fonológica terão problemas para aprender fonética e decodificação, especialmente quando precisam oralizar e misturar letras para formar novas palavras.

As habilidades de conscientização fonológica incluem:

  • Mistura de fonemas (colocando sons juntos para fazer uma palavra falada);
  • Segmentação de fonemas (quando é dada uma palavra falada, um aluno pode segmentá-la em fonemas isolados);
  • Manipulação de fonemas (manipulando um fonema para fazer uma nova palavra em uma família de palavras)

 

  1. A fonética refere-se ao ensino das associações letra-som e aos padrões de letras usados ​​para soletrar palavras (Snow, Burns e Griffin, 1998 p.51). A instrução fonética pressupõe que o aluno tenha consciência fonológica. Também pressupõe que o aluno possui o princípio alfabético, que se refere a entender que existem relações consistentes entre “símbolos de letras” e “sons de letras”.

Todas essas habilidades são construídas em uma base sólida de linguagem oral.

Espere um segundo, a linguagem oral é o meu “negócio” como fonoaudiologa! Essa é a nossa proficiência básica em nossos empregos como fonoaudiologos. E também lidamos com a consciência fonológica e a consciência fonêmica. Eu não faço muita fonética.

Então, se você já teve um professor ou um diretor, perguntando a você sobre o que você faz, diga-lhes que você constrói as habilidades de linguagem oral dos alunos para que toda sua consciência fonológica, consciência de fonemas e habilidades fonéticas tenham um lugar para colocar raízes e crescer.

FONTE: http://speechisbeautiful.com/2016/12/phonological-awareness-phonemic-awareness-and-phonics/

Tradução: Mariana Chuy, advogada e mãe do Gabriel

**ESCLARECIMENTO SOBRE TRADUÇÃO***

Um dos objetivos da ABRAPRAXIA é levar conhecimento à população através de informação e formação de qualidade sobre Apraxia de Fala na Infância.

Por Apraxia de Fala na Infância ser um tema pouco tratado em publicações ou trabalhos científicos no Brasil, optamos por traduzir alguns destes textos e disponibilizá-los em nosso site, sempre com referência ao texto original.

Sendo assim, você encontrará:

  1. Link de onde o texto foi retirado;
  2. Tradução livre do texto.