Carrinho

27 Sinais de que você tem Dispraxia

27 Sinais de que você tem Dispraxia, também conhecida como Transtorno do desenvolvimento da coordenação.

Demorou quase 60 anos para o meu pai descobrir que tinha dispraxia. Sem nunca entender o porquê, meu pai falhou no teste de direção oito vezes, pisava nos pés de pessoas estranhas cada vez que tentava dançar, e não conseguia seguir um mapa. Isso se estendeu até quando sua filha de 10 anos (eu!) foi formalmente diagnosticada com dispraxia, ou transtorno do desenvolvimento da coordenação, aí então, ele começou a perceber.

Não é uma coincidência que meu pai e eu temos dispraxia, muitas vezes referida como DCD nos Estados Unidos. Definido como um distúrbio neurológico para toda vida, podendo ser genético. Primeiramente, afeta funções motoras (por exemplo, a capacidade de comer, falar e se mover), ao lado de uma caixa de Pandora de outros sintomas de desenvolvimento. Alternativamente referida como disgrafia, dispraxia, transtorno do desenvolvimento da coordenação (TDC) e transtorno específico do desenvolvimento da função motora (TDC), os especialistas estimam que entre 2 e 10 por cento da população tem dispraxia. Difícil de explicar e complicado de diagnosticar, a desordem se resume a isso: nem todas as mensagens que seu cérebro está enviando ao seu corpo estão sendo passadas corretamente. Não, você não está imaginando isto.

Infelizmente, a condição é muitas vezes diagnosticada incorretamente. “Poucos médicos, pais e professores são cientes dos distúrbios do desenvolvimento motor”, diz Deborah Dewey, professora da Universidade de Calgary especializada na pesquisa da TDC.

Para mim, começou com pequenas coisas: trombando nas pessoas nos corredores da escola. Me perdendo no  caminho para a sala de aula. Meus professores notaram outras coisas também: eu caminhava estranhamente, curvada e inclinada para um lado, com os pés virados para dentro. Fui formalmente diagnosticada antes dos 11 anos, poucos anos após a criação da primeira Fundação de Dispraxia.

O diagnóstico precoce me fez sortuda: eu entendia porque eu tropeçava em paredes, portas, mesas e nos meus próprios pés. Eu sabia por que eu tinha dificuldade para interagir nas conversas no momento certo. Eu sabia que podia achar a coisa toda engraçada, realmente, porque não era minha culpa. Muitos indivíduos dispráxicos não têm essa sorte.

“Educadores, terapeutas, médicos e outros profissionais podem pensar que uma pessoa com dispraxia tem TOC( Transtorno obsessivo compulsivo) ou TOD ( Transtorno desafiador opositivo) ou outro transtorno emocional”, diz Carol Stock Kranowitz, autora da série Sync, incluindo The Out-of-Sync Child Grows Up. “Na verdade, a pessoa pode ter Transtorno do Processamento Sensorial (TPS), que afeta como eles respondem a sensações de toque e movimento“, acrescenta.

Uma razão para isso é que muitas pessoas com dispraxia não apresentam sintomas tão “clássicos” como os meus. “Dispraxia / TDC é um conjunto de dificuldades e pode apresentar dificuldades diferentes”, diz Michèle Lee, que preside a U.K. ‘s Dyspraxia Foundation (Fundação Dispraxia). “Os sintomas comuns são dificuldades nas habilidades motoras grossas e finas.”

Algumas pessoas com dispraxia são fisicamente coordenadas, mas não conseguem diferenciar o lado direito do lado esquerdo e mal podem segurar uma caneta. Daniel Radcliffe, que tem dispraxia, luta para amarrar seus cadarços. (Outras figuras públicas que falaram abertamente sobre ter a desordem incluem Cara Delevingne e Florence Welch.) Há também sobreposição considerável com TDAH, autismo, e transtorno do processamento sensorial.

Se isso parece familiar, como você pode descobrir se você tem dispraxia? Bem, você não pode se autodiagnosticar; Você precisará ser avaliado profissionalmente por pelo menos um especialista que tem experiência na área. Isso pode ser complicado. É um campo bastante novo, especialmente fora dos países da Commonwealth (comunidade das nações). Mesmo o DSM – a bíblia diagnóstica dos Estados Unidos, abreviatura para o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – só fez mudanças em sua definição de “distúrbios motores”, que agora inclui TDC, em 2013.

Abaixo estão alguns sinais que podem indicar que você é dispráxico:

 

  1. Você é mesmo muito desajeitado

A dispraxia era conhecida como “síndrome da criança desajeitada” nos anos 70, embora os especialistas já não usem o termo. Enquanto o rótulo pode descrever algumas crianças com dispraxia – pois entre os sintomas mais comuns estão a falta de jeito, como tropeçar em si mesmo ou deixar cair coisas ou bater nas coisas – muitas pessoas com dispraxia não são desajeitadas, e nem são crianças.

Dito isto, eu tenho dispraxia, e eu era uma criança desajeitada (e agora eu sou uma adulta desajeitada). Eu derramo as coisas tantas vezes que nem me assusta mais, e eu nunca fico surpresa por contusões inesperadas.

  1. Você é especialmente autoconsciente

“Uma coisa que se destaca é que a maioria dessas crianças está ciente desde muito cedo de que elas são diferentes”, diz Dewey. “Eles não podem fazer as mesmas coisas que outras crianças. Eles não podem progredir então eles tendem a desistir e, em muitos casos, seu mundo social se torna muito pequeno”.

Kranowitz concorda: “Um garotinho pode sentir que não é ‘bom’ em bater o triângulo, espalhar doce de maçã na torrada, vestir roupas ou escalar barras de apoio, então ele vai se abster”. Ele sente que é ‘burro’ ou ‘não é bom nisso’ e não quer ser repreendido, forçado ou mesmo notado.

Ela acrescenta: “A dificuldade subjacente é fisiológica… e depois se torna psicológica”.

  1. Seu equilíbrio não é bom

Eu frequentava uma escola católica. Nós fazíamos a oração do Pai Nosso em pé. Eu passava a maior parte com meus olhos bem apertados, tentando não cair para trás ou para frente. Eu esperava que Deus entendesse.

  1. Fazer duas coisas ao mesmo tempo é uma tarefa exaustiva

Algumas pessoas com dispraxia acham quase impossível segurar dois objetos em mãos separadas ao mesmo tempo. Não é apenas a multitarefa física que é difícil: eu não consigo ouvir e ler ao mesmo tempo, não importa o quanto eu me concentrar. Se o som for alto, é uma luta para eu ler uma palavra – até mesmo um outdoor.

Eu também não sou boa em andar e falar ao mesmo tempo. Ou eu estou realmente em nossa conversa e você tem que me impedir de trombar em postes de luzes / semáforos / lixeiras, ou estou concentrado em não zigzaguear no trânsito e você está se perguntando por que eu continuo parando no meio da frase.

  1. Sua coordenação olho-mão é ruim

Aqui está uma maneira fácil de testar sua coordenação olho-mão: pegar uma bola e jogá-la contra uma parede próxima. Você pode pegá-la? Se você sou eu, a resposta é: “Ai Deus, não, e também acabei de quebrar uma luminária”.

  1. Você acha que falar e / ou comer é estranhamente difícil

Para algumas pessoas com dispraxia, estar bem ciente dos diferentes mecanismos de comer – morder! Mastigar! Deglutir! E não fazer qualquer um desses mecanismos com a língua! – torna a alimentação complicada. Quando eu me alimento, tenho que me concentrar muito ou corro o risco de engasgar: Eu prefiro alimentos fáceis de comer e macios como sopa e massas, especialmente se eu estou comendo com amigos e tenho que me concentrar em falar ao mesmo tempo. Eu como no ritmo de uma lesma, e com muito cuidado.

Para outras pessoas, a fala em si é a parte mais difícil de ser dispráxico. (Falo sobre isso mais tarde).

  1. Você tem dificuldade nas tarefas diárias que envolvem movimento

Imagina: Você chegou cedo para um jantar, e está ajudando – ou tentando ajudar – o anfitrião na preparação. Todo mundo está se movendo pela cozinha, conversando. Quanto a você, você está silenciosamente tentando se concentrar em:

Não trombar em ninguém;

Não tropeçar;

Não permitir que uma parte do corpo  derrube o prato principal;

Escolher um objeto para pegar / misturar / limpar;

Se dirigir para o referido objeto e realmente pegar / misturar / limpar, e;

Dar a impressão de que você está sendo útil e não apenas ficar na cozinha como um animal de estimação com fome.

Você quer ajudar, mas, gente, isso é cansativo. Isso parece familiar?

  1. Você bebe para fazer os sintomas irem embora

Eu não estou falando em beber Gin pela manhã, é claro. Mas se você sentir que precisa de um copo extra de vinho porque diminui o excesso de raciocínio e faz você ficar menos consciente sobre sua falta de coordenação, você precisa considerar que algo está acontecendo.

Isto dito: “A maioria das pessoas que conheço não bebem, pois estão conscientes de que suas dificuldades pioram”, disse Lee. (Ops.)

  1. Você tem problemas coordenando o lado direito e esquerdo

Um dos meus irmãos é muito ativo fisicamente, mas ele é dispraxico e sofre com a coordenação no lado esquerdo de seu corpo. Em outras palavras, ele sabe que o lado direito de seu corpo geralmente obedece  seu cérebro. O lado esquerdo? Não muito.

“Quase todas as crianças que eu vejo têm limitações da consciência e esquema corporal e isso atrapalha sua capacidade de acompanhar visualmente, fazer esportes, e assim por diante”, diz Susan Orloff, fundadora e chefe do Serviço de crianças especiais, que trata de aprendizagem e desafios no desenvolvimento de crianças e adolescentes em Atlanta.

Para outras pessoas, um “clássico” sintoma de dispraxia é a incapacidade de mostrar o lado esquerdo a partir do direito. O que me leva a…

  1. Você não sabe ao certo se é destro ou canhoto

Algumas pessoas com dispraxia usam ambas as mãos para realizar tarefas diárias, ao invés de uma dominante. Algumas tem que se esforçar no uso de qualquer uma das mãos. (detalhe: Isto afeta o meu outro irmão dispráxico.) Muitas pessoas dispráxicas são ambidestras, o que nos faz tipo “X-Men”, se você pensar sobre isso. Além disso…

  1. Você não senta normalmente

Este sinal é estranho: Eu nunca fui capaz de sentar em uma cadeira normalmente. Em vez disso, para ficar confortável, eu tenho que sentar em um pé, ou com um joelho para cima, ou com as pernas cruzadas, ou com os pés sobre outra superfície. Isso me ajuda a equilibrar, eu acho.

  1. Organização não é seu Forte

Eu não era popular com meus professores. Eu estava sempre atrasada para a aula, raramente levava os livros certos, e sempre terminava minha lição de casa dois dias antes ou dois dias de depois. (OK, vamos ser claros, geralmente atrasada).

A organização não é minha amiga, mas a tecnologia é. A fim de me sentir uma mulher independente, eu mantenho uma lista de afazeres com um número grande de subseções em cada dispositivo (O que lembrar, o que fazer hoje, o que comprar, o que fazer amanhã, o que não posso esquecer) e checo isso a cada duas horas. Se eu acho que vou esquecer alguma coisa, eu escrevo na minha mão com um marcador.

  1. Dirigir é muito complicado

Lembra quando falamos sobre como meu pai falhou no teste de direção oito vezes? Sim, bem, você não acreditaria que ele já tinha passado se você o visse tentar estacionar um carro. (Desculpe pai.)

Quanto a mim? Eu fiz  20 horas de lições de direção antes de ser grata ao  transporte público e desistir. Eu ia para a esquerda quando eu pensava que estava dirigindo em uma linha reta, e se tinha um objeto inanimado na minha vizinhança, eu provavelmente bateria em algum ponto.Uma vez, meu instrutor de direção explicou que eu precisaria de aulas de condução específicas para deficientes, trocando de lugar comigo e me levou para casa. Este foi o fim da minha carreira ao volante.

E já que estamos no assunto…

  1. Você tem muita dificuldade em aprender uma seqüência física

Uma das razões que eu desisti das aulas de direção: eu nunca  saberia fazer a troca de marchas de um carro. A mesma coisa em fazer café. E também em seguir receitas. Também com tricô, vela, costura, usar uma caixa registradora e seguir uma sequência de dança. Se tiver mais de dois passos, eu não conseguirei. Se eu conseguir aprender, vou esquecer a seqüência um dia depois.

  1. Você tem dificuldade em segurar mais de um objeto ao mesmo tempo.

Você sabe quando a “Eleven” da série Stranger Things aperta o rosto e se concentra em mover objetos com sua mente? Sim, bem, sou eu tentando segurar uma xícara de chá em cada mão;

  1. Você se distrai facilmente, mesmo quando você quer se concentrar.

Como mencionei, há uma sobreposição significativa entre o TDAH e a dispraxia, o que torna ambos difíceis de diagnosticar. (Algumas pessoas são diagnosticadas com ambos.) “Minha pesquisa mostrou que a maioria das crianças com deficiência motora apresenta problemas em outras áreas”, diz Dewey.

Tal como acontece com o TDAH, os indivíduos dispráxicos tendem a distrair quando eles estão realmente tentando se concentrar – outra razão porque os meus professores não eram meus maiores fãs – e sons de fundo podem realmente desconcentrá-los.

Como, por exemplo, quando você está tentando dormir.

  1. Você não consegue dormir à noite

Muitas pessoas com dispraxia relatam dificuldades para dormir. Para mim, qualquer ruído de fundo pode me impedir de dormir, às vezes durante toda a noite. Pode ser um ventilador de teto, música de alguém, uma conversa no apartamento vizinho – em qualquer coisa meu cérebro se concentra ao invés de dormir.

  1. Você simplesmente não “entende” Mapas

OK, imagina isso: Você está em um lugar familiar. Você está com os olhos vendados e girando várias vezes. Quando você tira a venda, tudo parece familiar, mas você não consegue se orientar por um momento. Por apenas um segundo, você pode reconhecer as coisas ao seu redor, mas você não pode dizer de onde você estava vindo ou para onde você está indo ou em que direção fica sua casa. É assim que se sente quando não tem senso de direção. Olha, eu não estou falando de um “pobre” senso de direção: Muitas pessoas com dispraxia têm senso essencialmente zero de onde estão em relação às coisas ao seu redor.

Aqui está um trecho de um artigo no jornal Financial Times sobre uma política com dispraxia.

Quando voltou das férias de verão do ano passado, a política britânica Emma Lewell-Buck procurou em vão por seu escritório.

OBS: Seu escritório estava no mesmo lugar em que sempre esteve.

Você aprende a usar pontos de referência visuais para chegar do Ponto A ao Ponto B e seguir ao redor do pequeno ponto no mapa da “Apple” como se fosse sua religião. Porque…

  1. Sua consciência espacial é ruim

Isso ajuda a explicar a parte do “trombar em objetos inanimados”, e também a questão da “dificuldade em dirigir”. Me parece que, ao caminhar através de uma multidão, a maioria das pessoas sabem como direcionar o corpo para que não trombem em ninguém. Repito: Esta é a maioria das pessoas.

Se você tem dispraxia, você pode se ver trombando em estranhos na rua constantemente. Talvez você não perceba quando um carro em movimento vai passar por você, então você quase tropeça no pára-choque. Você também se vê levando canetas removedoras de manchas na sua bolsa, porque você não consegue comer ou beber quase nada sem errar a direção da boca. (O que? Eu?).

E falando em canetas…

  1. Você não consegue segurar direito segurar a sua caneta

Um dos sintomas mais “clássicos” da dispraxia é a dificuldade com o manejo de uma caneta ou lápis. Pense nisso: Quando você está escrevendo à mão, seu cérebro tem que se concentrar na pressão que você está colocando na caneta, na maneira como você está tensionando os diferentes músculos da mão quando está empurrando para baixo no papel e o desenho das letras que está formando – e isso sem pensar no que você está realmente tentando escrever. É uma tonelada de mensagens frenéticas do seu cérebro, e em indivíduos dispraxicos, não são todas as mensagens que estão sendo transmitidas.

Para não mencionar…

  1. Sua escrita tem sido um grande problema

Talvez a sua caligrafia esteja OK, mas você se esforça para segurar a caneta. Talvez escrever à mão é tão difícil que você só escreveria em teclados se pudesse. Talvez a sua caligrafia tenha sido terrível quando você era mais jovem, mas melhorou com a idade. Quaisquer que sejam seus problemas ou foram, escrever a mão com uma caneta exige que você use toneladas de habilidades motoras diferentes perfeitamente, então as pessoas com dispraxia podem achar ainda mais complicado.

  1. Você fala muito rápido (ou muito lentamente, ou muito alto, ou muito suave)

Cara, o mundo espera muito de você, não é? Todo mundo ao seu redor tem essa extraordinária sensação de qual é o volume apropriado, do quanto o falar suave é inteligível, e como pronunciar certas palavras. Se você não tem isso, bem, deixe-me assegurar-lhe que você não é a única pessoa a gritar informações confidenciais que você pensou que estava sussurrando.

Para algumas pessoas, existe um esforço físico para formar palavras – como na dificuldade de mover a língua contra os dentes para formar corretamente as palavras – é o principal sintoma de dispraxia. (Isso também é conhecido como apraxia da fala).

Especialmente quando seus outros sentidos estão sobrecarregados. Por exemplo…

  1. Você luta para ouvir ou falar em ambientes altos

Não é que eu não aprecie ruídos altos. Mas eu odeio lugares barulhentos quando estou tentando falar. É como andar contra o fluxo da água: Talvez eu possa falar alto o suficiente, mas não consigo me concentrar na pronúncia e me tornarei difícil de ser compreendida. Se estou me concentrando em pronunciar palavras corretamente, não consigo me concentrar em falar mais alto, e ninguém pode ouvir o que estou dizendo.

Esta é uma razão pela qual me permito aquele copo de vinho extra quando estou em bares: Quanto mais alto o ambiente, mais meus sentidos estão sobrecarregados e mais eu quero tudo para acalmar.

  1. A maneira que você anda é um pouco fora do comum

Você sabe, na minha mente, eu ando muito bem.

Posso garantir que este não é o caso.

Foi-me dito que eu caminho em forma de “s” – curvada, virando para a direita, para o meio, depois para a esquerda, e de volta para o meio. Se você está andando ao meu lado, é possível que eu bata os quadris em você. E não será daquela maneira divertida dos anos 80.

  1. Você luta para aprender algumas habilidades, mas não outras

Algumas habilidades, como aprender a dançar uma determinada seqüência de passos, parece que você está tentando escalar uma falésia sem equipamentos (é quase tão perigoso quanto). Seja um cálculo, uma caixa registradora ou a nova atualizaçãodo do Instagram, tentar e não aprender habilidades “simples” pode fazer você se sentir um idiota. Mas há outras habilidades – como lembrar detalhes específicos ou soletrar palavras complexas, por exemplo – isso vem tão facilmente que você tem certeza que deve estar enganado.

Eu? Eu não conseguia entender as leis da física, não importa o quanto eu tentasse. Eu estudei francês por uma década inteira e nunca passei do mais básico que eram as saudações. Mas eu gostava de escrever. Eu até gostava de escrever 50 vezes mais quando eu estava tentada a sonhar acordada em sala de aula.

  1. Você tem baixa tonicidade muscular

Isso pode ocorrer por várias razões, é claro, mas também é um sintoma da dispraxia. Posso ficar de pé por longos períodos de tempo, tecnicamente, mas sou terrível nisso. Depois de alguns minutos em pé, eu quero tanto me sentar que não consigo me concentrar em mais nada.

  1. Você foi diagnosticado com outros transtornos

Para algumas pessoas, dispraxia pode existir isoladamente. Para outros, ela vem com um ou mais distúrbios, incluindo, mas não se limitando a: TDAH, autismo, dislexia, síndrome de Aspergers e distúrbios sensoriais, sociais ou de linguagem.

Aqui está a boa notícia: Se você tem TDC – novamente, não faça um autodiagnóstico, mesmo porque a dispraxia pode ser frequentemente confundida com outras desordens – existem opções de tratamento. Não, não há “cura” para dispraxia. No entanto, você pode melhorar suas habilidades motoras com terapia ocupacional; Pegar dicas de tecnologia assistiva de comunidades on-line; Tratar as dificuldades de fala com terapia fonoaudiológica; E resolver problemas psicológicos com um psicólogo e / ou psiquiatra.

 

Texto excrito  por: Jenny Hollander

Texto traduzido por: Cinthia Resende (Fonoaudióloga), revisado por Juliane Tosin Fernandes (mãe da Gigi) e Maria Luiza da Nova (mãe da Helena)

Referência Bibliográfica Consultada: Jenny Hollander  https://www.bustle.com/p/27-signs-you-have-dyspraxia-aka-developmental-coordination-disorder-58912