Carrinho

“Semelhanças e Diferenças em crianças com autismo e aquelas crianças com apraxia de fala”

 

Gostaria de compartilhar esse texto que foi lançado no Face americano (Apraxia Kids), relativo às “Semelhanças e Diferenças em crianças com autismo e aquelas crianças com apraxia de fala”. O texto é de autoria de Tracy Vail, M.S., CCC-SLP e aqui lanço a sua tradução livre.

 

De antemão, a fim de evitar interpretações distorcidas, esclareço que um ou outro diagnóstico são igualmente pesados de serem recebidos. Não há aqui, qualquer intenção de classificar um ou outro em graus de maior ou menor dificuldade. O objetivo é tentar buscar o correto diagnóstico para se ter o correto e adequado tratamento. Marquei em negrito e sublinhado a parte mais conclusiva do texto.
“No início da minha carreira eu me dediquei a acompanhar crianças muito jovens e me especializei no tratamento de crianças com autismo. Minha experiência clínica tem sido a de que, possivelmente, sobre 20% das crianças com autismo que eu vejo também têm apraxia de fala. Esses distúrbios podem ocorrer isoladamente ou em combinação. Os médicos e coordenadores de casos de intervenção precoce muitas vezes encaminham as crianças para os serviços fonoaudiológicos quando vêem que possuem “tendências autistas” e muitas vezes bem antes que o diagnóstico tenha sido confirmado.

Após 22 anos, tenho notado que parece haver um grupo de crianças que demonstram tendências autistas quando são muito jovens, mas mais tarde em vez disso são diagnosticados com apraxia de fala. Muitas dessas crianças têm problemas sensoriais e não são muito social. (É difícil ser social, quando ninguém entende você!) Algumas crianças muito pequenas com apraxia podem até apresentar alguns comportamentos de jogo perseverative no início, mas normalmente os superam  muito rapidamente. Ambos os distúrbios são muitas vezes descritos como tendo uma base neurológica.

Como tenho quatro filhos, eu sei o quão desesperadamente os pais querem saber exatamente o que está acontecendo com a sua criança. É assustador obter qualquer dos diagnósticos para o seu filho, especialmente quando você começa a coleta de informações e a ouvir tantos relatórios de progresso e prognóstico para a melhoria. Isto é uma verdade tanto para apraxia quanto para o autismo. É normal passar por um processo de luto sempre que você recebe a notícia de que seu filho tem uma deficiência e eu entendo a necessidade dos pais para progredir através dos estágios do luto. Eles precisam conversar e obter o apoio de outras pessoas.

Ainda assim, quando uma criança é muito, muito jovem, eu nem sequer discuto um diagnóstico, mas em concentrar-se em identificar e tratar os sintomas. As razões são que, primeiro, o diagnóstico de autismo requer uma equipe de profissionais com experiência em uma variedade de áreas de desenvolvimento. Um fonoaudiólogo não pode, por razões éticas, diagnosticar o autismo de forma independente, mesmo se ele ou ela estivessem com muitos indicativos sobre o diagnóstico de uma criança em particular. Em segundo lugar, eu vi muitas crianças com diagnóstico de autismo vir para a clínica com dois anos e ter o diagnóstico retirado mais tarde. (Por favor, que fique claro que nestes casos a criança foi diagnosticada incorretamente e não que a tenhamos “curado”). Eu também vi casos de crianças que têm o diagnóstico descartado aos dois anos de idade, mas mais tarde o autismo é confirmado. A questão é que não estamos lidando com uma ciência exata o suficiente para dizer com certeza para muitas das crianças. A mesma coisa pode ser dita para crianças com apraxia de fala.

Eu não quero parecer insensível ou não dar o devido apoio aos pais quando sentem que precisam de mim para validar suas impressões de diagnóstico de seu filho. Eu quero que os pais sejam apoiados e consolados e recomendo grupos de apoio e aconselhamento, se necessário. Eu apenas sinto que o meu papel como fonoaudióloga deve se concentrar em ajudar os pais a aprenderem a ensinar habilidades específicas para seu filho. Temos tempo limitado e devemos priorizar a forma de gastá-lo.

Determinamos as necessidades de serviços para cada criança com base na gravidade dos sintomas apresentados. Se vemos problemas no planejamento motor, abordamos esses. Se vemos problemas sensoriais, abordamos esses. Se vemos problemas sociais, abordamos esses. Realmente não importa porque “razão” contanto que as áreas problemáticas sejam tratadas. Eu penso que nós podemos gastar uma grande quantidade de tempo e energia, tanto como pais e profissionais, centrando-nos em comportamentos específicos para “provar” ….ele é ou não é?? A verdadeira resposta virá com o tempo quando a criança nos ensinar como ele aprende melhor e se movimenta nos estágios de desenvolvimento. Podemos lidar com isso quando chegar a hora e saber que de qualquer forma, o progresso vai continuar. Nem mesmo o diagnóstico pode fornecer uma imagem do que a criança irá “parecer” em vinte anos. O melhor que podemos fazer para todas as crianças é dar-lhes o melhor e a mais intensa intervenção precoce possível.

[Tracy Vail, MS, CCC-SLP, é fonoaudióloga há mais de 25 anos, praticando tanto na escola pública e clínicas privadas. Ela tem um interesse específico em crianças com autismo e apraxia de fala na infância. Ela atualmente possui um consultório particular, “Let´s Talk”, em Raleigh, NC, onde ela fornece ambos os serviços diretos e consultivos. Ela também é ex-presidente da North Carolina Speech, Hearing and Language Association. Além disso, ela tem contribuído com artigos para o site da Apraxia-Kids.]

Tradução: Mariana Chuy. advogada e mãe do Gabriel